Me pediram para ficar em silêncio
Recusar a lâmina invencível
da palavra
e na penumbra mansa
repousar em silêncio
Em silêncio desfolhar os livros
Foram persuasivos
Me mostraram correntes emudecidas
para eu permanecer emudecido
no assombroso silêncio
Que eu me embaraçasse com o silêncio
e deixasse em desuso a palavra
Que eu não falasse
Que me infligisse o silêncio
para o silêncio morar em mim
Chancelar a porta cerrada
contra as palavras
Cobri-las com o manto de Bispo do Rosário
Sem rajadas de realce
me mantivesse numa
espécie de esclerose
em silêncio de permanência dura
Sem acalentar o discurso
Que adotasse a mudez
o gesto turvo de quem não é
Em silêncio
Me pediram isto
Me pediram que na invernia
desse as costas às palavras
Açoitado por ferrugens
janelas corrugadas
grandes extensões de corredores
Me pediram
Sem alicerce eu ficaria retesado
num silêncio de corredor sombrio
Assim deste jeito mudo e calado
desatinado no silêncio
Que pelas vertentes
do silêncio eu deslizasse
Numa forma de negar-me à palavra
da mais branda à mais eriçada
e do silêncio fizesse meu lívido cocho
pastasse ali e chafurdasse em silêncio
e no insondável nada buscasse
para nada falar
negando a palavra
evitando bloqueando a palavra
Que fugisse da atividade febril
e obsessiva da palavra
Me deram o silêncio para guardar
Nos sulcos de Casais Monteiro
eu nada dissesse
num longo corredor
nem a ocasional palavra
O silêncio sempre
exumasse meu peito no seu ser
alagado pelo silêncio
Que fosse embora da palavra
A coreografia do silêncio
sua medula seu núcleo seu tutano
E todo me encolhesse
usando cachecóis de madeira
e nada soasse vibrasse pulsasse
Eu sem força adesiva com a palavra
Me pediram isto
para eu permanceder no oceano
do silêncio
Para me calar
e fosse cedrino o silêncio
Deletar o visco da palavra
a mucosa da palavra
o ranho da palavra
Se da palavra vivesse
a partir daí com ela
cortaria o vínculo
longe do artifício
da coleante submissão à palavra
na real perspectiva em abismo
Que cessasse a dança do verbal
Que não dissesse nunca mais
sem afinidade com termo nenhum
sem glosa mote dicionário
analogia associação diálogo
Me pediram para ficar em silêncio
Então este texto

Postado em por autor in Poesia Deixe um comentário

Comente