Escrevo: deus é zero
Nenhum lado do outro lado
Não é monarca
apenas estigma
de infância mal alinhavada
É galeria
de macacos amordaçados
Seu alaúde sem cor
é exasperante engano
a quem espera música
Na carne dele
besouros de opacidade
traçam enigmas
fáceis de resolver
Não é caminho de esboço
é beco de rapazes sem raiz
é gonzo enferrujado
a gemer para perturbar
nosso sono
Deus é nada
e cata pulga no meu cão
e sacia a ânsia deste
de ter dedos entre os cachos
de seu pelo

Postado em por autor in Poesia Deixe um comentário

Comente