O tempo anômalo
fere as vidraças
parte os jarros
Que razão tem ele
para tamanha estupidez?
O tempo é vesgo
e voa torto
Assim não escolhe
quem vergar
Age com os envelopes em branco
passa ordenações
com plasticidade de desalento
a cada figura
a cada matéria que toca
Que é transitório
todos sabemos
Seu tópico de relevância
é o espatifamento
Trunca a palavra no pescoço
o amálgama que fornece
não é seminal
Nó e o que dá
E não desata
mutila e acossa
e incuba a morte
seu fruto predileto

Postado em por autor in Poesia Deixe um comentário

Comente