Retraimento

O silêncio impenetrável, corporal, recusa a transformar-se em palavra. Placa, pedra, tumba sobre o peito. Nuvem de chumbo sem passagem. Fico assustado. Há dias mudo, quero dizer algo e não tenho meios. Nem asa, nem abertura, nem ar. Romper o circo de torpor e a maresia sem desafio com que recurso? Há dias mudo, assim continuarei. A imensa muralha-da-china deslocada para meu universo. Eu dentro dela. Só isso.

Postado em por autor in Prosa poética Deixe um comentário

Comente